Pular para o conteúdo principal

Juventude e Comunicação

Juventude e comunicação; juventude e cultura digital; juventude e mídia livre: tratam-se de associações cada vez mais recorrentes e presentes no cotidiano. Quais são as interações existentes entre a juventude e os diversos meios de comunicação? Como jovens homens e mulheres são retratados na mídia? Estas são indagações fundamentais para compreender a estreita relação da categoria social com o mundo a comunicação.

Imagem: DNJ 2008
Protagonista no processo, a juventude hoje é quem mais se utiliza das novas formas de comunicação. Conectada especialmente por meio da internet, promove a interação e a sociabilidade pela troca de conhecimentos e conteúdos, pela divulgação de trabalhos próprios, pelas relações construídas nas redes sociais. Tal realidade demanda do Estado políticas públicas que garantam a inclusão digital e a apropriação das novas mídias.

Quando se consideram os meios de comunicação de massa, no entanto, vê-se que a juventude é alvo de análises genéricas e banalizadas. De um lado, há a imagem do jovem como um problema, envolvido em situações de violência ou em atitudes de risco. Páginas policiais dos jornais retratam a juventude como perigosa, transgressora e irresponsável.De outro lado, constata-se a apropriação do jovem como um ideal de vida para todas as idades. Neste caso, a juventude é retratada como bela, saudável e consumista. Para as jovens mulheres, são estabelecidos padrões de beleza e comportamento, levando-as a adquirir produtos e serviços. A felicidade, desse modo, é medida pela capacidade de consumo.

A juventude, com sua diversidade, clama por respeito nos meios de comunicação. Casos de manipulação e uso da imagem para consumo não cabem na sociedade que a juventude ousa sonhar. Democratizar o acesso ao conhecimento e aos meios de comunicação é optar pelo respeito à vida.

Paula Cervelin Grassi
Texto 7 da série "A Juventude no Brasil" - O Domingo (19/05/2013)


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Uns quantos piquetitos: Frida e sua denúncia da violência contra a mulher

Entre tantos quadros cercados de profundidades e denúncias da realidade de Frida Kahlo, Uns quantos piquetitos(1935) chama a atenção ao retratar uma situação freqüente enfrentada pelas mulheres naquela época e também nos dias de hoje, a violência doméstica. A pintura revela a brutalidade da violência física praticada contra a mulher. A obra é inspirada em uma notícia de um jornal mexicano de 1935, em que um homem bêbado jogou a namorada numa cama e a apunhalou cerca de vinte vezes. Quando questionado pela polícia sobre o crime, o assassinato respondeu que apenas foram umas “facadinhas de nada”. Sensibilizada pelo ocorrido, Frida desenha a cena do crime: o assassino com um punhal ensanguentado na mão e ao seu lado, o corpo nu da mulher marcado pelas facadas; o rastro de sangue está presente na roupa do homem, na vítima, na cama, no chão e alastra até mesmo a moldura da tela. A pintura, manchada de sangue, transborda da tela para a vida de Frida Kahlo. Na mesma época, a pintora mexic…

Olga Benário: "Lutei pelo justo, pelo bom e pelo melhor do mundo"

HISTÓRIA: A MODA DA EUROPA NO SÉCULO XVII - Parte I

Disponibilizo nas próximas postagens um trabalho da matéria de Idade Moderna I sobre a moda da Europa no século XVII, escrito por mim e pela Pâmela Grassi.
A MODA DA EUROPA NO SÉCULO XVII - Parte I
Cada vez mais se desperta entre os estudiosos, a pesquisa e o conhecimento à cerca da moda. Numa época onde os trajes têm importância cultural e econômica e são um fator para a compreensão da sociedade contemporânea, nada mais pertinente que o estudo da História da Moda.
A moda como um fenômeno social insere-se historicamente em contexto e quando analisada revela vários aspectos da organização humana, como os hábitos e a forma de agir ou pensar. Como diz Anne Hollander:Todo o mundo sabe que as roupas constituem um fenômeno social; mudanças no vestuário são mudanças sociais. E mais,diz-se que transformações políticas e sociais refletem-se no vestuário (...)[1]Daremos especial atenção ao mundo das roupas do século XVII na França e na Inglaterra, centros a partir dos quais durante um lo…