Pular para o conteúdo principal

Inconstância da nossa harmonia. Desarmonia.

De uma tristeza, de um lamento só. Chegou. Mal pisquei os olhos. Se foi, pois decidi:
- Vá embora!
Decisão tão imediata que não há relógio que aponte o tempo da mágoa que ali brotava, da melancolia que ali surgiu. Como não há teoria que interprete nossos primeiros encontros.
Pois bem, era um sábado à noite de abril, do “mês mais longo”, como tu mencionavas. Uma espécie de agosto da primeira metade do calendário. Não era pra estarmos lá. O combinado era outro. Mas aconteceu. Pistas já nos miravam. Minha intuição também já havia me sussurrado que, não se sabe como, findaríamos, a formalidade.
- SUSPEITE do inTENSO!
Dizia ela.
Sempre tão intenso. Para os dois. A tensão, no entanto, foi desigual. A psicologia trata de explicar. As diferenças de gênero e classe problematizam a análise.
Naquela noite, a tensão, sim, tão intensamente, tomou conta. E tão rápida, como a velocidade do efeito do álcool no teu corpo. Eu ia te levar para casa. Você não aceitou a segurança das minhas mãos. Uma criança talvez compreendesse o perigo da noite. E já havia te salvo de risco semelhante dias atrás. Riscos, aqueles que te perseguem de tanto que você os procura. Cansei da situação. “Só me segue, então”. Você achou que eu fosse embora. Eu queria mesmo. Eu ia. Então, você me procurou e me apanhou desesperadamente. E tudo se transformou em dor. 

Teus olhos desolados, reflexos dos meus, aflitos, minutos depois, costumam ressurgir nas minhas noites. São nossa síntese. Esse vai e vem. Amor, calor, dolor. Dolor, calor, amor. Amor, calor, dolor. Esse encontro e desencontro. Da noite do sábado. Dos dias que se sucederam. Dos dias que seguem. Essa inconstâcncia diante da nossa harmonia. Desarmonia. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Uns quantos piquetitos: Frida e sua denúncia da violência contra a mulher

Entre tantos quadros cercados de profundidades e denúncias da realidade de Frida Kahlo, Uns quantos piquetitos(1935) chama a atenção ao retratar uma situação freqüente enfrentada pelas mulheres naquela época e também nos dias de hoje, a violência doméstica. A pintura revela a brutalidade da violência física praticada contra a mulher. A obra é inspirada em uma notícia de um jornal mexicano de 1935, em que um homem bêbado jogou a namorada numa cama e a apunhalou cerca de vinte vezes. Quando questionado pela polícia sobre o crime, o assassinato respondeu que apenas foram umas “facadinhas de nada”. Sensibilizada pelo ocorrido, Frida desenha a cena do crime: o assassino com um punhal ensanguentado na mão e ao seu lado, o corpo nu da mulher marcado pelas facadas; o rastro de sangue está presente na roupa do homem, na vítima, na cama, no chão e alastra até mesmo a moldura da tela. A pintura, manchada de sangue, transborda da tela para a vida de Frida Kahlo. Na mesma época, a pintora mexic…

Olga Benário: "Lutei pelo justo, pelo bom e pelo melhor do mundo"

HISTÓRIA: A MODA DA EUROPA NO SÉCULO XVII - Parte I

Disponibilizo nas próximas postagens um trabalho da matéria de Idade Moderna I sobre a moda da Europa no século XVII, escrito por mim e pela Pâmela Grassi.
A MODA DA EUROPA NO SÉCULO XVII - Parte I
Cada vez mais se desperta entre os estudiosos, a pesquisa e o conhecimento à cerca da moda. Numa época onde os trajes têm importância cultural e econômica e são um fator para a compreensão da sociedade contemporânea, nada mais pertinente que o estudo da História da Moda.
A moda como um fenômeno social insere-se historicamente em contexto e quando analisada revela vários aspectos da organização humana, como os hábitos e a forma de agir ou pensar. Como diz Anne Hollander:Todo o mundo sabe que as roupas constituem um fenômeno social; mudanças no vestuário são mudanças sociais. E mais,diz-se que transformações políticas e sociais refletem-se no vestuário (...)[1]Daremos especial atenção ao mundo das roupas do século XVII na França e na Inglaterra, centros a partir dos quais durante um lo…