Pular para o conteúdo principal

Das memórias: Los Hermanos


Há momentos na vida que não bastam ser registrados apenas em fotos, murais de facebook ou na doce memória. É necessário mais. Traduzir em inúmeras palavras me parece ainda ser o melhor caminho. E o show dos Los Hermanos de ontem (12 de maio) em Porto Alegre ressoa ansiosamente pelo registro.


Pré

Ingressos comprados pra noite de ontem ainda no final do ano de 2011 pela amiga Marília (também amante dos Los Hermanos). Até o show muitas manhãs, tardes e noites de escuta dos CDs, especialmente Ventura e Bloco do eu sozinho. Escuta considerada comum, já que o amor pelos cariocas foi (é) regado diariamente durante anos.
A primeira vez que escutei Los Hermanos (assim como muito@s) foi através de Ana Júlia. Na época era criança e mal sabia sobre o som deles. Recordo do carnaval infantil que participei em 2000 quando tava na 4ª série e o som que embalou era “Ôôôôh Ana Júliaaaaaaaaaaaahhhh”. Cantava nos berros e com o um dos dedos rasgados, pois havia quebrado um copo horas antes lavando a louça do dia em casa.
Anos depois em 2003 aos 13 anos passei a escutar por causa da minha irmã Pâmela, dona de bons e invejáveis ouvidos musicais. Na época, minha vida se resumia em Ramones e Tequila Baby, e assim achava Los Hermanos a maior depressão. Passei a curtir mesmo por volta dos 16 anos. Após o fim do carnaval, acompanhei os trabalhos de Marcelo Camelo e de Rodrigo Amarante. Inclusive tive a oportunidade de ver no Opinião (POA) em 2009 Amarante junto do baterista Moretti (STROKEESSSSSSS!) em show do Little Joy (e de quebra deparar-se com Adam Green na escada do bar #OMG). Outro caso que considero importante partilhar: pouquíssimo conectei canções dos Hermanos com casos amorosos. Isso faz toda diferença baby, já que posso escutar a banda tranquilamente sem cair em lágrimas por desastres afetivos.
Dado os fatos históricos para justificar minha ida ao Pepsi é hora de falar da noite surreal. Na fila ontem, pouca espera já que a irmandade da PJ (Victor, Luana, Jaiane, Pâmela, Marina e Leandro) oportunizou o companheirismo de ‘dar lugar’ (para alguns, a maior sacanagem). E liberada a entrada, lugar garantido na frente quase que na grade! Até a espera, a tentativa do DJ em deprimir tod@s presentes não se concretizou, embora tenha chegado perto (rolou até The Clash experimental, que particularmente considero uma decadência).

Durante

E por volta das 23hs, enfim hermanitos no palco com O Vencedor: Olha lá quem vem do lado oposto e vem COM gosto de viver. E o mundo passava a parar naquele instante... Eu que já não quero mais ser um vencedor, levo a vida devagar pra não falta amooooor. Amor. Muito Amor. Como Frank Jorge, Com Amor muito Carinho.
Durante as canções um misto de sentimentos e percepções: gritos, alma leve e alegre, memórias, corpo em movimento, êxtases, lágrimas, a sintonia de Camelo, Amarante, Medina e Barba no palco, admiração pela genialidade de Amarante, suspiros (muitos suspiros, especialmente por CAMELO, seu lindo! haha) etc etc etc. Algumas linhas sobre as canções (não todas):

Retratro pra Iaiá, Toda Carnaval tem seu fim, Primeiro Andar, Um Par e Do Sétimo AndarTodo carnaval não tem fim. Cantadas em coro. Caras e bocas divertidas do Amarante. Como será quando a gente se encontrar? Com a maior das alegrias. Quanto ao chão? Não existia. Alto aqui do sétimo andar

O Vento – Uma das mais engenhosas canções dos Hermanitos - Como pode alguém sonhar o que é impossível saber? - Não te dizer o que eu penso já é pensar em dizer. Suave brisa. Gostosa brisa. Êxtase afetuoso. E no telão, imagens da orla carioca para suscitar as memórias do Rio de cada um/a presente ali.

A Flor e Cara Estranho A Flor é uma das minhas preferidas. E uma das melhores tocadas ontem. Somada a voz de Amarante e Camelo, o coro foi fiel e nervoso (como alguns dos riffs). E Amarante num iê – iê - iê eletrizante. Um dos momentos mais surreais do show. O corpo tomado pelos nervos continuava com Cara Estranho.  O nervosismo subia a medida que a canção percorria Faz parte desse jogo, dizer ao mundo todo que só conhece o seu quinhão ruim.

De Onde vem a calma e A Outra - Paz, eu quero paz. De onde vem a calma? Momento aconchegante. Corpo pra lá e volta, pra cá em movimentos leves. Sem pressa. A voz agradecia, já rouca.

Um Milhão – Canção saindo do forno. Paciência – pediu Amarante. Curti a canção. Letra bacana, toque de realidade social no meio (já me conquistou rsrsrs).  

Casa Pré – Fabricada, O Velho e o Moço, Conversa de Botas batidas e Último romance – E o show se encaminhava pro fim. Seqüência de canções do Ventura e Bloco do Eu sozinho. Podia rolar outras com Mais uma Canção e Do Lado de Dentro. E a alma já transbordava de muita felicidade. Abre a janela agora, deixa que o sol te veja. É só lembrar que o amor é tão maior que estamos a sós no céu. A banda e o público. Os dois protagonistas do caso. Hermanitos, a nossa fuga foi descoberta e espalhada. O nosso amor se concretizou.

BIS

Nunca Diga – A volta dos Los Hermanos foi com muito estilo e gratidão à uma das melhores bandas dos pampas gaúchos – Graforréia Xilarmônica. Assim que voltaram e Camelo iniciou Querida nunca diga que eu tenho mal-gosto e saiba que o belo da vida ainda está pra nascer, reconheci a letra e também cantei. Até que em segundos caiu a ficha: GRAFORRÉIA XILARMÔNICA! ENLOUQUECI! LOS HERMANOS CANTANDO GRAFORRÉIA XILARMÔNICA! NUNCA DIGA! (embora não seja a primeira vez que Camelo homenageia seu amigo Frank Jorge). MELHOR?! IMPOSSÍVEL! O corpo respondeu também ao momento. E assim um casal que passou o show inteiro parado me advertiu “Se tu quer dançar e gritar, faz isso mas sem incomodar os outros”. Estava muito feliz e em outro mundo pra entrar num papo com o casal. Apenas agradeci a sugestão e passei a dançar e cantar mais enlouquecidamente. Resposta para o casal, que vem a um show de 15 anos de uma baita banda, na área geral e acha que vai encontrar fãs paralisados sem se empolgar com os iê – iê – iê eletrizantes do Amarante ou do conjunto de características que fazem dos Los Hermanos uma das melhores bandas música braslileira. Respeito “os parados”, mas se quer apatia, sem empurros e apertos vá ver o show na VIP! E ainda assim duvido encontrar.
Fui lhe mostrar um disco que eu comprei de um cantor que eu sempre gostei. Canção Nunca diga cantada com muito amor. Graforréia tocada pelos Los Hermanos é um presente pra relembrar sempre! Mas uma pena (e vergonhoso) que grande parte do público não cantou junto de Camelo. #Ficadica pros rockeir@s gaúch@s que Graforréia não se resume a Amigo Punk

Tenha DóSe tu quer rock'n'roll meu amiguinho então é rock'n'roll que tu vai ter (GX). Muitos gritos, muitos pulos. Versão mais rápida que no cd. TENHA DÓ, NÃO MERECES O AFAGO DE DEUS NEM DO DIABO.

Ana Júlia – Voltei ao carnaval de 2000. E como disse a querida Marina “Eles deixaram a gente cantar e dançar Ana Júlia". Divertidíssimo momento!

Quem sabe e Pierrot – E Amarante deixa a guitarra e cai no público. Logo após a banda finaliza com Pierrot. O palco já tava uma bagunça, tod@s nós já estávamos uma bagunça. Não entendia mais nada, a não ser Los Hermanos. E pra finalizar a Marília jogou uma camisa customizada da Pâmela pro Amarante. E lá se foi a camisa da Pâmelita na mão do Amarante...

Pós

Felicidade não foi embora, tá aqui nos #loshermanosPOA numa intensidade pra nunca mais fugir (yo pelo twitter em algum momento do show). Foi como se ontem a felicidade que brotou de cada um@ de nós foi deixado no show e imortalizou-se junto do conjunto todo de elementos da noite. Seja bem – vinda vida – pós Los Hermanos... 

 (Foto 1 - Priscila Menezes Siqueira; Foto 2 e 3– Diego Vara)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Uns quantos piquetitos: Frida e sua denúncia da violência contra a mulher

Entre tantos quadros cercados de profundidades e denúncias da realidade de Frida Kahlo, Uns quantos piquetitos(1935) chama a atenção ao retratar uma situação freqüente enfrentada pelas mulheres naquela época e também nos dias de hoje, a violência doméstica. A pintura revela a brutalidade da violência física praticada contra a mulher. A obra é inspirada em uma notícia de um jornal mexicano de 1935, em que um homem bêbado jogou a namorada numa cama e a apunhalou cerca de vinte vezes. Quando questionado pela polícia sobre o crime, o assassinato respondeu que apenas foram umas “facadinhas de nada”. Sensibilizada pelo ocorrido, Frida desenha a cena do crime: o assassino com um punhal ensanguentado na mão e ao seu lado, o corpo nu da mulher marcado pelas facadas; o rastro de sangue está presente na roupa do homem, na vítima, na cama, no chão e alastra até mesmo a moldura da tela. A pintura, manchada de sangue, transborda da tela para a vida de Frida Kahlo. Na mesma época, a pintora mexic…

Olga Benário: "Lutei pelo justo, pelo bom e pelo melhor do mundo"

HISTÓRIA: A MODA DA EUROPA NO SÉCULO XVII - Parte I

Disponibilizo nas próximas postagens um trabalho da matéria de Idade Moderna I sobre a moda da Europa no século XVII, escrito por mim e pela Pâmela Grassi.
A MODA DA EUROPA NO SÉCULO XVII - Parte I
Cada vez mais se desperta entre os estudiosos, a pesquisa e o conhecimento à cerca da moda. Numa época onde os trajes têm importância cultural e econômica e são um fator para a compreensão da sociedade contemporânea, nada mais pertinente que o estudo da História da Moda.
A moda como um fenômeno social insere-se historicamente em contexto e quando analisada revela vários aspectos da organização humana, como os hábitos e a forma de agir ou pensar. Como diz Anne Hollander:Todo o mundo sabe que as roupas constituem um fenômeno social; mudanças no vestuário são mudanças sociais. E mais,diz-se que transformações políticas e sociais refletem-se no vestuário (...)[1]Daremos especial atenção ao mundo das roupas do século XVII na França e na Inglaterra, centros a partir dos quais durante um lo…