Pular para o conteúdo principal

Mulheres em movimento na vida política

Mês de Março é mês do Dia Internacional das Mulheres, data para celebrar as iniciativas e conquistas além de intensificar a defesa e afirmação pelos direitos das mulheres em todo o mundo. Data para ecoar ainda mais alto que é necessário extrapolar as relações desiguais rumo à liberdade, à autonomia, à justiça e à paz.

E ao celebrar a data simbólica, aprofundamos diversas reivindicações das mulheres e da luta anticapitalista contra as diversas formas de dominação e opressão, como a representatividade feminina na vida política. Seja em movimentos sociais, seja em partidos políticos ou nos poderes executivo, legislativo e judiciário, a ocupação das mulheres nos espaços da cena política vem ganhando cada vez mais atenção. A participação direta nos espaços polítcos cresceu, mesmo que de forma tímida, à medida que a pressão pela paridade de gênero em diversas organizações da sociedade civil e o debate da divisão sexual do trabalho foram intensificados.

No Brasil, mulheres urbanas e rurais lutam constantemente pela sua ampla participação na vida e nas decisões das organizações, protagonizando diversas bandeiras de lutas. A Jornada Nacional de Luta das Mulheres Camponesas, por exemplo, envolve milhares de mulheres da Via Campesina em defesa dos seus direitos e da pequena agricultura. No último dia 06 (março) cerca de 600 mulheres ocuparam a superintendência do Instituto Nacional da Colonização e Reforma Agrária (Incra), em Marabá (Pará) para cobrar projetos de Reforma Agrária e políticas públicas para os assentamentos da região. As mulheres defendem a biodiversidade da Amazônia e protestam também contra as mudanças no Código Florestal, que está em votação no Congresso Nacional.

Quanto ao poder Público, o Executivo federal conta hoje com 11 ministras, além da presidência da República ser ocupada pela primeira vez na história por uma mulher, a presidenta Dilma Roussef. No artigo Memórias das Lutas Feministas no Brasil, as pesquisadoras Hildete Pereira de Melo e Lourdes Bandeira indicam que desde a proclamação da República até meados de 2010, 18 mulheres ocuparam pastas ministeriais como efetivas ou interinas. Desse total, 11 foram nomeadas no governo de Luis Inácio Lula da Silva. Com as indicações de Dilma esse número salta.

No entanto, a significativa participação das mulheres no primeiro escalão do governo federal não é suficiente e nem garante a expressiva representatividade feminina em outros poderes. Durante a III Conferência Nacional das Mulheres realizada no final de 2011, a autonomia política das mulheres foi ponto intenso de debate. Aclamou-se a reforma política com voto em lista fechada, pré-ordenada, com alternância e paridade de gênero e além da efetivação do Ministério da Mulher.

É também necessário garantir que a atuação das mulheres nos espaços políticos seja comprometida com a luta das mulheres na afirmação dos seus direitos. É preciso questionar valores e posturas machistas e propor políticas que constrói a autonomia e a igualdade além da inclusão política de forma mais democrática e ampliada.

Mulheres da luta pela moradia, mulheres do sindical, mulheres jovens, negras, sem-terra, sem-teto, mulheres das diversas igrejas, mulheres com deficiência, desempregadas, e também dos partidos políticos, que ao celebrarmos nossas ações cotidianas no dia 08 de março, fortalecemos ainda mais a luta pela efetivação dos nossos direitos e assim de Outro Mundo Possível. Que a nossa participação ativa transforme nossa condição, transforme a sociedade. Mulheres em movimento mudam o mundo!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Olga Benário: "Lutei pelo justo, pelo bom e pelo melhor do mundo"

Uns quantos piquetitos: Frida e sua denúncia da violência contra a mulher

Entre tantos quadros cercados de profundidades e denúncias da realidade de Frida Kahlo, Uns quantos piquetitos(1935) chama a atenção ao retratar uma situação freqüente enfrentada pelas mulheres naquela época e também nos dias de hoje, a violência doméstica. A pintura revela a brutalidade da violência física praticada contra a mulher. A obra é inspirada em uma notícia de um jornal mexicano de 1935, em que um homem bêbado jogou a namorada numa cama e a apunhalou cerca de vinte vezes. Quando questionado pela polícia sobre o crime, o assassinato respondeu que apenas foram umas “facadinhas de nada”. Sensibilizada pelo ocorrido, Frida desenha a cena do crime: o assassino com um punhal ensanguentado na mão e ao seu lado, o corpo nu da mulher marcado pelas facadas; o rastro de sangue está presente na roupa do homem, na vítima, na cama, no chão e alastra até mesmo a moldura da tela. A pintura, manchada de sangue, transborda da tela para a vida de Frida Kahlo. Na mesma época, a pintora mexic…

HISTÓRIA: A MODA DA EUROPA NO SÉCULO XVII - Parte I

Disponibilizo nas próximas postagens um trabalho da matéria de Idade Moderna I sobre a moda da Europa no século XVII, escrito por mim e pela Pâmela Grassi.
A MODA DA EUROPA NO SÉCULO XVII - Parte I
Cada vez mais se desperta entre os estudiosos, a pesquisa e o conhecimento à cerca da moda. Numa época onde os trajes têm importância cultural e econômica e são um fator para a compreensão da sociedade contemporânea, nada mais pertinente que o estudo da História da Moda.
A moda como um fenômeno social insere-se historicamente em contexto e quando analisada revela vários aspectos da organização humana, como os hábitos e a forma de agir ou pensar. Como diz Anne Hollander:Todo o mundo sabe que as roupas constituem um fenômeno social; mudanças no vestuário são mudanças sociais. E mais,diz-se que transformações políticas e sociais refletem-se no vestuário (...)[1]Daremos especial atenção ao mundo das roupas do século XVII na França e na Inglaterra, centros a partir dos quais durante um lo…