Pular para o conteúdo principal

Simone de Beauvoir e Rosa Luxemburgo: poesias irreverentes e radicais

Mês de janeiro é mês de recordar duas irreverentes mulheres que marcaram seus tempos ao enfrentar corajosamente as convenções e o patrulhamento ideológico, e hoje são inspirações para a luta feminista e de Outro Mundo Possível: Simone de Beauvoir e Rosa Luxemburgo.

Recontar, mesmo que brevemente essas histórias de experiências femininas, é também afirmar a importância das mulheres na história e romper o silêncio em que estávamos confinadas. Michelle Perrot, conhecida mestra da História das Mulheres, alerta em Minha História das Mulheres: As mulheres ficaram muito tempo sem o relato da história, como se, destinadas à obscuridade de uma inenarrável reprodução, estivessem fora do tempo, ou pelo menos fora do acontecimento (PERROT, 2007, p. 16). Para Perrot uma história sem as mulheres é impossível (p. 13). Assim, nas próximas linhas ao fazer memória da vida dessas destacadas mulheres, iremos contra as definições de histórias e seus agentes já estabelecidos como “verdadeiros” que por muito tempo tornaram as mulheres invisíveis.


Não se nasce mulher, torna-se mulher – Simone de Beauvoir


No último dia 09 Simone de Beauvoir completou 104 anos, se viva. Simone de Beauvoir, em que numa entrevista histórica de 1972 proclamou em alto e bom som sou feminista, é autora da famosa frase Não se nasce mulher, torna-se mulher. A afirmação faz parte do seu livro o Segundo Sexo lançado na década de 40 e que marcou os estudos feministas e a questão de gênero. O livro, que na época levantou inúmeras polêmicas tanto por parte da direita como da esquerda, trata das condições sociais e culturais enquanto responsáveis pela construção da identidade feminina e masculina. Em entrevista à Alice Shwarzer (1972), Beauvoir recorda trinta anos depois sobre seu livro e defende O eterno feminino é uma mentira, pois a natureza desempenha um papel ínfimo no desenvolvimento de um ser humano: somos seres sociais.

Nascida em Paris no ano de 1908, Simone presenciou durante sua infância sua família falir. Seu pai George de Beauvoir considerou que as filhas não conseguiriam bons casamentos e assim passou a crer que somente o sucesso acadêmico poderia tirar as filhas da pobreza. Mais tarde a francesa criticava os valores burgueses em Memórias de uma moça bem comportada.

Na década de 60, nos nascentes movimentos feministas, Simone se envolveu na luta das mulheres e defendia um movimento feminino especifico e autônomo. E até hoje seus estudos e sua vivência são revisitados e refletidos, inspirando a luta diária de mulheres.


Socialismo ou barbárie – Rosa Luxemburgo


Já no dia 15, a memória se volta para a polonesa judia Rosa Luxemburgo, conhecida com a Rosa Vermelha. Completou – se 93 anos do assassinato de Rosa, morta na noite de 15 de janeiro de 1919 em Berlim por soldados a serviço de governantes social-democratas. Eles atiraram em sua cabeça depois de horas de tortura do Hotel Éden e jogaram seu corpo num canal. Somente em 31 de maio encontraram seu corpo já irreconhecível e podre, sendo reconhecida por pedaços de vestido e um pingente.

Sua conhecida palavra de ordem Socialismo ou barbárie resume sua vida marcada pela luta da esquerda radical, anti-capitalista e anti-imperialista. Rosa Luxemburgo Rosa iniciou sua militância no movimento socialista ainda quando estava na escola secundária e em 1894 fundou o Partido Social-Democrata (SPD) da Polônia e Lituânia. Após 4 anos,obteve a nacionalidade alemã, instalando-se em Berlim e engajando-se nos debates com a social-democracia alemã. Percebendo elementos de capitulação – que depois ajudaria a ascensão do nazismo – Rosa enfrentou o reformismo de Edouard Berstein. A teórica marxista atacava as teses revisionistas, denunciando o esquematismo teórico e o oportunismo político de Berstein, que abandonava não apenas o marxismo como a luta pelo socialismo. Para Rosa, “entre a reforma e a revolução devia haver um elo indissolúvel” no qual “a luta pela reforma é o meio e a revolução social é o fim”.

Anos mais tarde lança A Acumulação do Capital, combatendo as correntes nacionalistas do SPD e firmando seu internacionalismo proletário e seu antimilitarismo radical. Rosa também ajudou na fundação do Partido Comunista da Alemanha (KPD).

Rosa Luxemburgo é um exemplo para nós mulheres ocuparmos cada vez mais os espaços da cena política, seja em movimentos sociais ou partidos políticos. Além disso, sua defesa de um projeto anti-capitalista nos provoca a refletir de que a construção de uma igualdade real entre mulheres e homens deve ser permanentemente ao lado da luta contra as diversas formas de dominação. Nesse caso o fim da opressão de gênero só será possível com uma mudança do sistema vigente de opressão social.


Por fim, as vidas dessas duas mulheres permeadas pela poesia irreverente e radical se cruzam na palavra de ordem encontrada na Itália por Simone de Beauvoir em suas andanças: Nada de revolução sem a emancipação da mulher, nada de emancipação da mulher sem a revolução.

Que a nossa memória corrompida por inúmeros patriarcalismos não nos mova ao esquecimento das inspiradoras Simone de Beauvoir e Rosa Luxemburgo.




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Uns quantos piquetitos: Frida e sua denúncia da violência contra a mulher

Entre tantos quadros cercados de profundidades e denúncias da realidade de Frida Kahlo, Uns quantos piquetitos(1935) chama a atenção ao retratar uma situação freqüente enfrentada pelas mulheres naquela época e também nos dias de hoje, a violência doméstica. A pintura revela a brutalidade da violência física praticada contra a mulher. A obra é inspirada em uma notícia de um jornal mexicano de 1935, em que um homem bêbado jogou a namorada numa cama e a apunhalou cerca de vinte vezes. Quando questionado pela polícia sobre o crime, o assassinato respondeu que apenas foram umas “facadinhas de nada”. Sensibilizada pelo ocorrido, Frida desenha a cena do crime: o assassino com um punhal ensanguentado na mão e ao seu lado, o corpo nu da mulher marcado pelas facadas; o rastro de sangue está presente na roupa do homem, na vítima, na cama, no chão e alastra até mesmo a moldura da tela. A pintura, manchada de sangue, transborda da tela para a vida de Frida Kahlo. Na mesma época, a pintora mexic…

Olga Benário: "Lutei pelo justo, pelo bom e pelo melhor do mundo"

HISTÓRIA: A MODA DA EUROPA NO SÉCULO XVII - Parte I

Disponibilizo nas próximas postagens um trabalho da matéria de Idade Moderna I sobre a moda da Europa no século XVII, escrito por mim e pela Pâmela Grassi.
A MODA DA EUROPA NO SÉCULO XVII - Parte I
Cada vez mais se desperta entre os estudiosos, a pesquisa e o conhecimento à cerca da moda. Numa época onde os trajes têm importância cultural e econômica e são um fator para a compreensão da sociedade contemporânea, nada mais pertinente que o estudo da História da Moda.
A moda como um fenômeno social insere-se historicamente em contexto e quando analisada revela vários aspectos da organização humana, como os hábitos e a forma de agir ou pensar. Como diz Anne Hollander:Todo o mundo sabe que as roupas constituem um fenômeno social; mudanças no vestuário são mudanças sociais. E mais,diz-se que transformações políticas e sociais refletem-se no vestuário (...)[1]Daremos especial atenção ao mundo das roupas do século XVII na França e na Inglaterra, centros a partir dos quais durante um lo…