Pular para o conteúdo principal

HISTÓRIA: A MODA DA EUROPA NO SÉCULO XVII - Parte I

Disponibilizo nas próximas postagens um trabalho da matéria de Idade Moderna I sobre a moda da Europa no século XVII, escrito por mim e pela Pâmela Grassi.

A MODA DA EUROPA NO SÉCULO XVII - Parte I

Cada vez mais se desperta entre os estudiosos, a pesquisa e o conhecimento à cerca da moda. Numa época onde os trajes têm importância cultural e econômica e são um fator para a compreensão da sociedade contemporânea, nada mais pertinente que o estudo da História da Moda.

A moda como um fenômeno social insere-se historicamente em contexto e quando analisada revela vários aspectos da organização humana, como os hábitos e a forma de agir ou pensar. Como diz Anne Hollander:

Todo o mundo sabe que as roupas constituem um fenômeno social; mudanças no vestuário são mudanças sociais. E mais,diz-se que transformações políticas e sociais refletem-se no vestuário (...)[1]

Daremos especial atenção ao mundo das roupas do século XVII na França e na Inglaterra, centros a partir dos quais durante um longo período, irradiavam-se as grandes tendências da moda para o resto do mundo. Na época, os estados absolutistas francês e inglês viviam bons momentos da centralização do poder monárquico.

Nesse contexto, as roupas segundo a autora Mary Del Piore tinham papel político – social serviram para deixar claros a classe de quem se vestia.

Na forma e na cor, elas significavam uma condição de vida. [2]

Anne Hollander aprofunda:

(...) Cores, tecidos e aviamentos eram similares para ambos os sexos, e diferiam de acordo com a posição social e a ocasião (...)[3]

Os tecidos bordados, rendados e luxuosos eram privilégio da aristocracia enquanto os tecidos de segunda mão e lisos serviam para as camadas emergentes. Geralmente, as roupas para essas camadas também se diferenciavam da aristocracia pelos seus tamanhos e ajustes, já que eram adaptadas aos seus afazeres e deveres. Como exemplo, a altura e a largura das saias (figura 1) das mulheres da classe trabalhadora eram menores das sai as das damas da aristocracia (figura 2), para maior mobilidade nos seus afazeres domésticos.

Figura 01

Figura 02












S. Le Clerc., Trajes franceses, Século XVII


[1] HOLLANDER, Anne. O sexo e as roupas: a evolução do traje moderno. Rio de Janeiro:Rocco, 1996, p. 14

[2] DEL PRIORE, Mary. Corpo a corpo com a mulher: pequena história das transformações do corpo feminino no Brasil. São Paulo: Senac, 2000.

[3] HOLLANDER, Anne. O sexo e as roupas: a evolução do traje moderno. Rio de Janeiro:Rocco, 1996, p. 68

Comentários

  1. Olá Paula
    Parabéns pelo texto, uma pesquisa esclarecedora e importante para entendermos como eram as sociedade no passado.

    ResponderExcluir
  2. muito legal a historia da moda na europa

    ResponderExcluir

Postar um comentário

marulho

Postagens mais visitadas deste blog

Olga Benário: "Lutei pelo justo, pelo bom e pelo melhor do mundo"

Uns quantos piquetitos: Frida e sua denúncia da violência contra a mulher

Entre tantos quadros cercados de profundidades e denúncias da realidade de Frida Kahlo, Uns quantos piquetitos(1935) chama a atenção ao retratar uma situação freqüente enfrentada pelas mulheres naquela época e também nos dias de hoje, a violência doméstica. A pintura revela a brutalidade da violência física praticada contra a mulher. A obra é inspirada em uma notícia de um jornal mexicano de 1935, em que um homem bêbado jogou a namorada numa cama e a apunhalou cerca de vinte vezes. Quando questionado pela polícia sobre o crime, o assassinato respondeu que apenas foram umas “facadinhas de nada”. Sensibilizada pelo ocorrido, Frida desenha a cena do crime: o assassino com um punhal ensanguentado na mão e ao seu lado, o corpo nu da mulher marcado pelas facadas; o rastro de sangue está presente na roupa do homem, na vítima, na cama, no chão e alastra até mesmo a moldura da tela. A pintura, manchada de sangue, transborda da tela para a vida de Frida Kahlo. Na mesma época, a pintora mexic…